Falta humanidade, diz Bolsonaro sobre governadores e prefeitos

#PortalEstáEmTudo


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quarta-feira que falta "um pouco de humanidade" para governadores e prefeitos em relação à condução do enfrentamento da pandemia de Covid-19.


“Realmente está faltando um pouco de humanidade por parte de muitos governadores e prefeitos do Brasil nessa questão da pandemia. Lamentamos as mortes, muito, queríamos que ninguém morresse, mas temos uma realidade pela frente”, afirmou Bolsonaro.


As declarações foram dadas durante inauguração do novo pátio de manobras e da duplicação da via de acesso ao aeroporto de Foz do Iguaçu (PR). No evento, Bolsonaro pediu aos trabalhadores que façam apelo aos governadores e prefeitos do país. “Todo homem que trabalha, toda atividade que exerce para levar o pão para a casa, é uma atividade essencial”, disse.


“Essa política de fique em casa, de tirar empregos dos outros, de fechar o comércio, está empobrecendo o nosso país. Sabemos do problema do vírus, mas sabemos também do problema do desemprego.”


Mais cedo, Bolsonaro afirmou que não decretará lockdown nacional e reafirmou que não permitirá o uso das Forças Armadas para reforço das medidas de restrição adotadas por governadores e prefeitos. A declaração ocorre um dia após o Brasil registrar 4.195 mortes devido à pandemia de Covid-19 em 24 horas, novo recorde.


Aeroportos

O presidente também comentou sobre a concessão à iniciativa privada de 22 aeroportos do Brasil pelo valor de R$ 3,302 bilhões. A previsão é de que os arremates resultem em um investimento total de R$ 6 bilhões pelos próximos 30 anos. Todos os blocos foram arrematados com ágio superior a 9.000%.


“Todas as estatais são importantes. O que nós podermos fazer para privatizar parte das estatais, nós faremos. Paraná está de parabéns. Vai receber voos do mundo todo. É uma cidade com vocação para o turismo”, disse Bolsonaro.


A Companhia de Participações em Concessões (CPC), do Grupo CCR, conquistou o direito de assumir o controle de 15 dos terminais disponíveis nas regiões Sul e Central, com um investimento de R$ 2,883 bilhões para ambos os blocos.


Os demais terminais, localizados na região Norte do Brasil, serão controlados pela empresa francesa Vinci Airports, que não teve sua oferta inicial no valor de R$ 420 milhões superada pelas concorrentes.


Fonte: Correio do Povo