Estudo projeta que 10% da população gaúcha tenha sido infectada pelo coronavírus

#PortalEstáEmTudo


Um a cada 10 habitantes do Rio Grande do Sul já foi infectado pelo coronavírus, de acordo com os dados mais recentes do estudo Epicovid19-RS (Estudo de Evolução da Prevalência de Infecção por Covid-19). Divulgada em transmissão virtual nesta quinta-feira (25/2), a nona etapa da pesquisa estima que a proporção de pessoas com anticorpos para a Covid-19 é de 10% (de 9,1% a 10,9%, pela margem de erro) da população gaúcha, o que corresponde a cerca de 1,13 milhão de pessoas (que pode variar de 1,03 a 1,23) que já foram contaminadas pelo coronavírus, mesmo que de forma assintomática.


“Retomamos a pesquisa para refinar nossas decisões. Nossos cientistas nos dão muita segurança, e subsidiam a tomada de decisões que muitas vezes são antipáticas, mas necessárias, porque estão baseadas na ciência. Nossa equipe produz informações de forma absolutamente independente. E essa parceria com a comunidade científica também funciona como um antídoto para enfrentarmos a pandemia das fake news e das notícias distorcidas”, destacou o governador Eduardo Leite.


Realizada pelo Estado em parceria com a Universidade Federal de Pelotas (UFPel), a pesquisa aponta que a prevalência de Covid-19 no RS é, hoje, cerca de 7,2 vezes maior em comparação com a encontrada no levantamento anterior, realizado há cinco meses. Em setembro, o percentual de infecção era de 1,38%, equivalente a 156,7 mil pessoas.

“Ou seja, estamos longe da ‘imunidade de massa’, que deve ser atingida com patamares de imunização geral em torno de 60% a 80%”, diz o epidemiologista Aluísio Barros, um dos coordenadores do estudo na UFPel.


O aumento da prevalência no Estado veio acompanhado de uma diminuição do número de pessoas respeitando as orientações de distanciamento social. De setembro para cá, o percentual da população que relatou sair de casa diariamente aumentou de 33% para 36%. Em comparação ao primeiro levantamento, realizado no início da pandemia, em abril, esse aumento foi de 21% para 36%, enquanto a proporção de pessoas que praticamente não saem de casa caiu de 22% para 10%.


"Pedimos que toda a população, na medida do possível, reduza os contatos, fique em casa e cuide de si e da família, dos amigos, dos colegas de trabalho. A doença é real e está cada vez mais perto de cada um. Neste momento crítico que passamos no RS, é importante que tenhamos todos os cuidados. Não há como expandir muito mais os leitos, e a expansão de leitos não é a resposta, porque cerca de 60% das pessoas que são internadas na UTI não sobrevivem. Existir leito não é garantia de não perder a vida. Por isso, o que realmente ajuda a salvar vidas é evitar a circulação do vírus, e para isso, precisamos de cada um dos gaúchos”, reforçou o governador.


Para a coleta dos dados, os pesquisadores entrevistaram e testaram 4,5 mil moradores de nove cidades gaúchas. Desse total, 443 apresentaram resultado positivo. 12,6% deles foram em Canoas, município que já vinha apresentando os maiores percentuais de casos em inquéritos anteriores. Passo Fundo teve 11,2% de positivos, e Santa Maria e Ijuí tiveram 10,2%. As prevalências foram de 10,5% em Uruguaiana; 9,5% em Caxias do Sul; e 8,9% em Pelotas. Porto Alegre e Santa Cruz do Sul apresentaram 8,3% de casos positivos. Essas cidades respondem por 31% da população do Rio Grande do Sul.


Nesta nona etapa, a pesquisa introduziu um novo teste de anticorpos capaz de identificar casos de infecções mais antigas, além dos testes rápidos que já faziam parte dos procedimentos de coleta de dados. Desenvolvido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, o novo método batizado de S-UFRJ consiste em uma variação do teste Elisa (sigla em inglês para ensaios de imunoabsorção enzimática).


É um teste de laboratório que se baseia em uma relação de antígenos-anticorpos. Uma preparação de uma proteína presente no envoltório do vírus é aderida a uma placa que, a seguir, recebe o soro em teste (amostras de sangue) para a identificação de anticorpos.

A UFPel foi responsável pelo estudo de validação do S-UFRJ, que avalia o uso dos testes em pesquisas populacionais. Os resultados mostraram que o método de testagem apresentou alta sensibilidade – em torno de 92% – para detectar anticorpos mesmo após cinco meses da infecção.


“Nas primeiras fases, o teste que utilizávamos era suficiente, pois vivíamos os primeiros meses da doença. Com a nova técnica, garantimos condições de identificar pessoas que tiveram a doença há mais tempo”, diz o epidemiologista.


Os autores recomendam o investimento para acelerar a vacinação o mais rápido possível, dando prioridade aos grupos mais vulneráveis a formas graves e ao óbito pela doença, como idosos e pessoas com comorbidades. Além disso, alertam que o avanço da vacinação não só reduz o número de doentes e de óbitos, mas também evita o aparecimento de novas mutações na medida em que reduz a circulação do vírus e sua taxa de reprodução.


Ao mesmo tempo, é essencial continuar com as medidas preventivas – uso de máscara e distanciamento, em paralelo ao processo de vacinação.


A pesquisa segue em andamento no Rio Grande do Sul. A coleta de dados e testes da 10ª etapa deve ocorrer de 9 a 12 de abril.


O Epicovid19 é coordenado pela UFPel e pelo governo do Estado Rio Grande do Sul, com apoio de 12 universidades públicas e privadas.


O objetivo do estudo é estimar o percentual de gaúchos infectados pela Covid-19; avaliar a velocidade de expansão da infecção e fornecer indicadores precisos para subsidiar políticas de enfrentamento da pandemia. O estudo conta com financiamento do Todos Pela Saúde, Banrisul, Instituto Serrapilheira, Unimed Porto Alegre e Instituto Cultural Floresta.


Clique aqui e acesso o estudo completo.


Fonte: Portal do Estado do Rio Grande do Sul

WhatsApp-icone.png